Proibír a publicidade é a solução?

Capacitação de professor é fundamental para bom uso da internet na escola, dizem educadores

13 de Abril de 2008 – 12h22

Ao lançar na última semana o programa Banda Larga nas Escolas, o ministro da Educação, Fernando Haddad, advertiu que de nada adiantará o esforço do governo de levar a 37 milhões de alunos o acesso à internet banda larga se os professores não forem capacitados para fazer bom uso desse equipamento.

O programa vai levar a conexão rápida de acesso à internet a 56 mil escolas públicas até 2010. A avaliação do ministro tem o apoio de educadores.

“Só tem sentido (a iniciativa) se vier associada a uma política de formação de professores. Mas o próprio MEC acena com a possibilidade de garantir a formação daqueles que ainda não dominam a ferramenta”, acredita a presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Justina Iva de Araújo.

Para este ano, a previsão do MEC é capacitar 100 mil professores da rede. A Secretaria de Educação a Distância oferece dois cursos: um introdutório de 40 horas para profissionais que tiveram nenhum ou pouco contato com computadores, e outro voltado para as tecnologias na educação, com duração de 140 horas.

Em 2001, a professora Nilza Gomes, do Laboratório de Novas Tecnologias (Lantec) da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), pesquisou nas escolas do estado a utilização dos equipamentos de informática.

Ela constatou que muitos diretores recebiam os computadores do Programa Nacional de Informática na Educação (Proinfo ) e deixavam nas caixas porque “não sabiam o que fazer com aquilo”. “Em primeiro lugar precisa haver a formação do professor. Só a tecnologia, os equipamentos e recursos não resolvem”.

Para ela, é preciso que os professores sejam apresentados às possibilidades que a internet oferece. “Quando a gente vai na escola e planeja com o professor um projeto de trabalho ele percebe que é possível se organizar e fazer atividades com seus alunos”.

A professora Ana Cláudia Domingues, do Centro Educacional 1 do Guará, cidade-satélite de Brasília, espera por essa capacitação. A escola em que ela leciona deve receber em breve a banda larga.

“Nós precisamos também dominar a parte da informática, quando a gente conhece facilita o nosso planejamento. Como professores não podemos ser “analfabytes”, a gente precisa ter esse conhecimento para estreitar cada vez mais os laços entre a tecnologia e o nosso dia-a-dia na sala de aula”.